20.5.18

uma página em branco

Eu me sinto perdido. Perdi a minha habilidade de escrever e isso era tudo o que eu tinha.

A minha capacidade de amar intensamente sempre foi a maior fonte de inspiração para os meus rabiscos, por isso todas as vezes que tento transformar meus pensamentos em palavras e tenho um bloqueio, me pergunto se esse bloqueio também existe no meu coração. Será que junto com a capacidade de escrever, perdi também a minha capacidade de amar?

Há muito tempo não sinto o famoso frio na barriga e a sensação de borboletas no estomago. Nunca imaginei que um dia isso aconteceria comigo, mas infelizmente preciso admitir que hoje sou uma pessoa vazia. As borboletas voaram para longe sem a intenção de voltar.

É como se eu estivesse quebrado por dentro. Como se as peças não estivessem encaixadas da maneira correta. Isso me assusta, mas também me deixa feliz.


Me deixa feliz porque sei que se existe o vazio é porque fui capaz de esvaziar, de me livrar de amores que foram maiores que eu e que nunca foram recíprocos. Porque fui de capaz de libertar as borboletas para que elas voassem até alguém que ainda não tinha experimentado a sensação de senti-las.

Ainda me sinto quebrado, mas sei que um dia me sentirei restaurado. A restauração já começou e ela teve início no dia em que eu deixei de amar demais os outros. E assim compreendo que a minha inspiração não era o meu amor intenso e sim a dor causada pela falta de intensidade que recebia de volta. Não perdi a capacidade de amar. Eu apenas aprendi a me amar. Não perdi a capacidade de escrever, eu só precisava entender a razão pela qual escrevia.

Me sinto perdido e ao mesmo tempo sinto que me encontrei. Me sinto contraditório, mas sei que tudo isso é por um bem maior, uma mudança necessária.

Hoje, eu sou uma página em branco, estou começando um novo diário e espero que ele seja repleto de amor, intensidade e reciprocidade. Porque eu me amo intensamente e espero ser capaz de retribuir o meu próprio amor.

2 comentários em "uma página em branco"

  1. Ahhh que texto!!! É isso�� É bom estar vazio, pois estamos livres verdadeiramente para o próximo.

    ResponderExcluir
  2. Que texto amorzinho, Guttho!
    Tive uma época que fiquei muito assim: me sentindo vazia, "sem amor" para escrever... depois percebi também que eu não escrevia pelo amor, mas pela dor que as pessoas diziam me amar provocavam em mim. Perceber isso no começo é bem doloroso mas depois a gente fica tãooo leve, é tão bom. Espero que fique bem, se amando, descobrindo amores verdadeiros <3
    beijosss

    ResponderExcluir